Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Fruta mais Ácida

Lugar onde se vende toda, ou quase toda, a fruta com que a sociedade nos premeia. A fruta doce e a ácida estarão expostas à mistura com algum mel.

A Fruta mais Ácida

Lugar onde se vende toda, ou quase toda, a fruta com que a sociedade nos premeia. A fruta doce e a ácida estarão expostas à mistura com algum mel.

05
Dez20

Pra cima de puta ou do oportunismo com oportunidade

Manuel_AR

Cristina Ferreira-TVI (3).png

O que vou escrever não foi movido pela inveja porque nada tenho a invejar a Cristina Ferreira, não sou da profissão, nem que o fosse, não  pertenço ao seu grupo de amizades, não a conheço pessoalmente o que dela sei é somente e apenas pelos programas que ela protagoniza e o que a comunicação social vai dizendo sobre o que se passa nos bastidores dos canais onde trabalhou ou trabalha.

Pacheco Pereira pessoa que considero ser séria como escritor e que também admiro pelo seu estilo de comentário de opinião escreveu no jornal Público um artigo em defesa de Cristina Ferreira. Em epígrafe escreve “O ódio dos covardes que anda por aí” e “Sim, este elogio da denúncia de Cristina Ferreira é para vosso escarmento, vosso opróbrio, vosso desluzimento, vossa vergonha e, se tiverem de ir ao dicionário para perceber algumas palavras, ao menos ganha-se alguma coisa.”

Concordo com Pacheco Pereira unicamente enquanto elogio da denúncia que Cristina Ferreira faz no seu livro do esterco de comentários por alguma gente que se movimenta pelas redes sociais. Devemos, todavia, separar algumas águas quando se trata de pessoas a que se resolveu chamar figuras públicas, que, por princípio, têm mais visibilidade através dos canais televisivos porque a carência de protagonismo que é o seu alimento poderá conduzi-las aos mais variados e falsos altruísmos que, apesar de tudo não deixam de ser altruísmos quando praticados.

Pacheco Pereira elogia Cristina pelo seu livro porque também se indigna, com plena razão e direito, com os discursos de ódio, grosseria, de ameaças, de violência que passam impunemente pela rede sociais

O título deste meu texto “Oportunismo com oportunidade” vem mesmo a propósito e vem a propósito da publicação do livro “Pra Cima de Puta” da autoria de Cristina Ferreira, (tê-lo-á escrito?), editado em novembro de 2020 pela Contraponto Editores. A esta publicação seguiu-se, quase de imediato, a petição contra o cyberbullying para levar à Assembleia da República o que ao mesmo tempo veio servir de marketing para a promoção do livro e, sobretudo, da sua autora. Parece-me ser uma motivação exclusivamente pessoal, mas que pretende transvasar para a generalidade. Enfim, coincidências! O título do livro é sugestivo e pode levar muita gente não apenas as que frequentam as redes sociais a comprá-lo, e é isso que interessa.

As audiências dos programas por ela geridos, e alguns também apresentados, estão em baixa,  pelo que todo este movimento marketing à volta de Cristina possa vir a exercer uma espécie de alavancagem para os seus programas televisivos na TVI que  tem vindo a ter maus resultados devido à sua interferência e que, por isso, encontra-se fragilizada segundo consta nos bastidores da estação televisiva.

Os seus sorrisos para as câmaras e a aparente simpatia, que seduzem muitos espectadores, não são mais do que mera representação porque, dizem, ao vivo e em trabalho de bastidores é do piorio gritando e insultando os seus colaboradores.  

O livro, ao transcrever comentários a ela dirigidos e por ela transcritos para o seu livro poderá ser uma forma de Cristina Ferreira se vitimizar perante o público. Transformar ameaças e crises numa boa oportunidade de negócio é atributo de empreendedorismo e praticado em algumas empresas, e Cristina é uma empresa. É isso que Cristina Ferreira tenta fazer.

As ameaças que advêm da utilização imprópria das redes sociais não é de hoje, embora se tenha agravado, vem desde o seu lançamento. Ameaças, ciberbullying, notícias falsas, difamação, falsidades, maledicências, maldade, machismo, mulheres que rebaixam mulheres e outros impropérios idênticos, para tal a imaginação não falta têm sido várias vezes denunciados e objeto de debate. Esta situação tem vindo a gravar-se e o exemplo é encorajado por alguns altos responsáveis de alguns países bem conhecidos de muitos.

Não é de hoje que as redes sociais têm sido utilizadas para fazer ataques pessoais em que as emoções, boas ou más, extravasam o limite do possível. O tema ciberbullying não é novo e tem sido debatido internacionalmente, nomeadamente na União Europeia cujo Parlamento tem abordado. Tentar resolver ou mitigar o problema dos conteúdos nocivos ou ilegais online e, ao mesmo tempo, proteger a liberdade de expressão é uma das questões fundamentais que os eurodeputados querem abordar assim como a da proteção dos utilizadores contra aquele tipo de conteúdos.

A legislação sobre a informação que circula pelas redes sociais vai apresentar até final do ano uma nova legislação (‘Digital Services Act’ – Lei de Serviços Digitais) para regulamentar melhor os gigantes tecnológicos, em termos de gestão de dados, desinformação e discurso do ódio, em particular.

A Comissão Europeia está a trabalhar numa legislação para garantir que os conteúdos ilegais sejam retirados com as salvaguardas necessárias para proteger a liberdade de expressão porque o ódio não conhece fronteiras. A União Europeia tem, desde 2016, um código de conduta contra o discurso do ódio, de base voluntária, que foi assinado pelos grupos e redes sociais Facebook, Microsoft, Twitter, Youtube, Instagram, Snapchat, Dailymotion, Jeuxvideo.com e Tiktok.

Na Internet e nas redes sociais há gente infame ou que sofre de alguma psicose que difama e se alimenta destilando ódio, agredindo com facilidade e sem pudor pessoas que consideraram tomar como alvo, quer sejam políticos, quer sejam outros que se expões publicamente e Cristina Ferreira é uma dessas muitas pessoas que se expõe assumida e publicamente nas redes sociais.

Fico perplexo quando famílias e muita outra gente que, mesmo não sendo figuras públicas, se expõem através de imagens em família estimulando até os filhos a promoverem-se através de fotografia nas redes sociais. Assusta-me perceber que isso acontece sem qualquer controlo e autocrítica e que depois de serem alvos lamentam-se e julgam-se agredidos.

Não sei se o que mais preocupa Cristina se será sentir-se “Pra cima de Puta” ou se é sentir que está abaixo de puta nas redes sociais. Não percebo a metáfora, mas eis que descobri uma interpretação. Ao escrever aqui abaixo de puta, pensei que teria sido original, mas não fui porque há quem já utilizasse o termo no mesmo contexto que passo a citar e que também podem ler aqui:

 “I. Que Cristina Ferreira use a expressão como título de um livro seu, eis uma escolha inevitavelmente curiosa, tendo em conta que a autora quer evitar qualquer arbitrariedade metaforizante, esclarecendo que se trata de uma "provocação", no sentido em que o seu objetivo primordial é uma "chamada de atenção". Atenção para quê? Para uma "análise sociológica" das "agressões" nas "redes sociais" — a começar por aquelas a que ela tem sido sujeita, incluindo a classificação "pra cima de puta". 

III. Somos todos pavlovianos, eis a questão. Por um lado, Cristina Ferreira é uma personalidade pública do espaço televisivo, em grande parte apoiada nas chamadas redes sociais, o que ajudará a explicar o seu natural interesse pela sociologia. Identidade, sistema moral e estratégia empresarial, tudo nela existe arquitetado e exponenciado através de tais circuitos. Por outro lado, pressente agora que a utopia "social" que tão empenhadamente tem protagonizado pode ser uma ilusão cruel, convocando os seus seguidores "para percebermos que mulheres e homens atacam ferozmente".

Cristina é em grande parte apoiada nas chamadas redes sociais, mas desconhecem tudo quanto faz a não ser os risos e sorrisos para as câmaras, mas, do que tem vindo a público (consultar revista Sábado de 25 de novembro), é sintoma nítido de megalomania egocentrismo.

Pegar no que lhe chamam nas redes sociais, convencida, traidora, vergonhosa, manipuladora, exibicionista, gananciosa e tentar colocá-los como vantagem para si própria é o objetivo de Cristina para se vitimizar. A vitimização por vezes dá resultados face à queda das audiências.

Quem frequenta redes sociais como o Instagram pode confirmar que Cristina se expõe a tudo quanto sejam abutres do cyberbullyng e ela sabe disso porque não é nem parva, nem estúpida.

O discurso de ódio algumas vezes tem motivações induzidas por quem é o alvo movidas por comportamentos, atitudes, opções partidárias e ideológicas e que se revelam em ataques de todas as espécies que servem aos seus autores de escape que a liberdade de expressão das redes sociais proporciona.

O que me parece estranho é que Cristina Ferreira só agora tenha descoberto os ataques verbais de que tem sido alvo ache também agora que vem em auxílio de outros estão a ser alvos da mesma situação. Estranho é ainda que só ao fim alguns anos venha a insurgir-se contra as injurias, e muitas outras formas de ódio de que tem sido vítima através do cyberbullying e se atribua a si própria a grande defensora de todos e todas que dele têm sido vítimas quando o tema na sua generalidade tem sido abordado não raras vezes.

Há pelas redes sociais milhares de figura públicas, ou não, que são insultadas, enxovalhadas e vilipendiadas que não se queixam e que, com elevação moral não dão resposta a essas provocações que circula nas redes sociais, em vez de se focarem e darem valor a essa gente abjeta que se embrenha no anonimato. Todavia não são apenas insultos há também manifestações de indignação.

Há os que se põem a jeito e Cristina põe-se demais a jeito. O que dizer de quem publica vídeos e fotografias no seu Instagram fotografias com um seu protegido por ela relançado passeando-se num iate apresentando a ideia de alguma cumplicidade entre ambos para alimentar a imprensa. “Na montra do Instagram apresenta sorrisos e uma vida despreocupada financeiramente que contradiz o que se passa nos bastidores. Quem tem contacto com ela na estação descrevem a tensão que se vive na estação. Em público Cristina disfarça a desolação com as derrotas e não baixa a guarda… As fúrias são à porta fechada, fora dali…” Ler aqui.

A megalomania e declarações de “eu é que mando”, “eu é que escolhi” é uma necessidade de transmitir para se auto compensar revelam um egocentrismo patológico. Aquando da XXIV cerimónia dos Globos de Ouro da SIC recorde-se o seu discurso que recebeu críticas vindas de vários setores: "Cristina, a rainha da humildade"; "Presunção e água benta..."; "Que convencida e arrogante", foram alguns dos comentários ao discurso da apresentadora, que ganhou o prémio 'Personalidade do Ano' na área do Entretenimento.

Num fragmento do discurso que não está descontextualizado afirmava que "Eu dizia não quero, isto não faz sentido nenhum, estou lá a apresentar e depois vou lá receber o prémio... e depois percebi que quero. E quero, porque é justo", afirmou, como autoelogio e arrogância que lhe é habitual.

Ser figura pública e ambicionar por visibilidade e protagonismo para benefício próprio tem, e sempre teve os seus riscos, mesmo antes das redes sociais. Publicações como tabloides e revistas cor de rosa e outras lançavam para o público, amores, casamentos, escândalos e outros “tesourinhos” sobre vedetas ou personalidades mais conhecidas.

Portanto, não nos admiremos, Cristina Ferreira não é a vacina que vai salvar o “mundo” do discurso de ódios nas redes sociais.

27
Abr20

Tenho horror a influencers

Manuel_AR

Influenciadores_3.png

Isto de estar confinado é secante para os que estavam habituados a andar daqui para ali sem eira nem beira e sem “shots”, sem bares e discotecas, sem concertos, sem cerveja e até sem dinheiro. Há quem, para passar o tempo, passe por blogs e redes sociais e que por impreparação e sem a consciência de que podem cair na ratoeira para gastar os últimos tostões que restam do corte da mesada ou do parco salário que lhe reduziram, esteja a virar-se para os sites dos(as) influencers.

Tenho horror aos denominados(as) influencers que corroem a paciência de muitos como eu com a sua prosa intimista que não é mais do que marketing mascarado. Outros(as) daqueles(as), quais narcisos(as) a contemplarem-se nas águas mostram a sua imagem e silhueta com fatiotas que compraram aqui e ali e ao mesmo tempo promovem a sua imagem para invejas dos crédulos(as) que gostariam de ser como eles(as), identificando-se com estes(as) espécimes de ídolos de trazer por casa. Até mesmo algumas figuras da televisão, de telenovelas e artistas vários utilizam para a sua promoção pessoal.

Os(as) influencers falam do que compraram ou tencionam comprar para as suas casas, as remodelações, os móveis os atoalhados, os cremes, as loções, as últimas modas e até produtos para a higiene íntima a que algumas chamam pipi para ser mais giro e chique, e escrevem sobre qualquer coisa para “lavar o nosso rico pipi” - nosso é como quem diz, o delas. Utilizam um estilo intimista e falam de amigas com quem já discutiram e sobre o que elas acham sobre o tema. Encontram sempre alguma que lhes diz com toda a naturalidade do mundo que usa sempre o gel de banho ou sabonete tradicional para lavar aquela zona, a do pipi. E, claro, trazem à baila as suas vivências que pode ter muito impacto na influência a exercer e salientam já ter falado várias vezes dos cuidados que têm com a higiene íntima e de como usam sempre um gel de limpeza específico, e, para mais credibilidade acrescentam que o que sabem foi-lhes passado pela mãe dela(s) e segue-se o nome da marca e respetiva publicidade à mistura com o texto com a necessária fotografia e até a dela com o frasquinho na mão. Isto num site muito frequentado e com muitos likes.

Acham que estou a inventar? Não, não, estou!

Tenho horror a influencers.

Isto é apenas um dos exemplos porque há muitos desde as roupinhas até ais detergentes e artigos para crianças, sem esquecerem os bébés.

Muitos(as) destes(as) já utilizam o covid-19 para os seus objetivos descaradamente publicitários. Não existe limite quando o assunto é conseguir alguma fama e muitos likes.

O coronavírus já matou muitas centenas de pessoas e não existe no mundo, neste momento, assunto mais urgente. Entretanto os influencers acharam que seria uma boa altura para promover uma onda baseada na epidemia e lançaram modas baseadas no coronavírus.

As redes tornaram-se promotoras de celebridade de ocasião e, através delas, os(as) influencers, resolveram condicionar gostos e comportamentos. Em busca de likes e de afagos no ego, causam repulsa ao mostrar profundo descompasso com a realidade de medo e recessão causada pelo coronavírus enquanto o país luta com uma incerteza pandémica e económica.

Tenho horror a influencers.

Muitos ficam lá por casa, não apenas por causa da epidemia covid-19 que os obriga a confinarem-se à residência, mas por que já antes ficavam por lá a aliciar e a atrair para as armadilhas publicitárias as potenciais e incautas clientelas através de blogs e redes sociais.  

Com a tendência de mudanças fundamentais nos hábitos de consumo seria bom que os profissionais de marketing a repensassem estratégias e orçamentos existentes que têm destinado alocados aos ditos(as) influencers. Atualmente os influenciadores estão tão onipresentes que correm o risco de ficar sem sentido pela vulgaridade e pela saturação. E ainda bem!

Tenho horror a influencers.

18
Jan20

Deixem de ser cromos e otários. Vão, mas é ao teatro

Manuel_AR

Humor.png

Ontem fomos ao teatro coisa que fazemos não tantas as vezes as desejadas. A peça “Casal da Treta” com José Pedro Gomes e Ana Bola está em exibição em Lisboa no Teatro Villaret até março.

Casal da treta.png

O texto de Filipe Homem Fonseca, Mário Botequilha e Rui Cardoso Martins e encenação de Sónia Aragão, é inferior ao das peças anteriores como a Conversa da Treta e filho da Treta. Apoiada na suposta vida em comum do casal brinca com várias questões da atualidade como a “igualdade de género”, com as telenovelas, com "o bairro onde vivem” e com alguns traços de humor e crítica política passando por temas como fitness e sexo que fazem desprender gargalhadas.  

Olhando para a assistência lamenta-se a exígua assistência da juventude que parece ter apostado em abandonar o teatro de qualidade nas suas diversas vertentes.

Os jovens parecem preferir a bandalheira dos espetáculos de “stand-up” onde o riso fácil é soltado pela ordinarice das asneiras sucessivas e descontextualizadas com base em anedotas soltas teatralizadas, sendo, algumas, apenas clichés déjà vu.   

Esses pseudoatores e pseudo-humoristas de stand-up que começaram a proliferar por aí, alguns deles promovidos por alguns canais televisivos que não primam pela qualidade cultural. Este tipo de espetáculo não é inovação em Portugal, já foi protagonizado em vários sketches desde 1961. Enchiam-se salas de teatro para ver, ouvir e rir a bandeiras despregadas sem o recurso à ordinarice desbragada.

Não eram anedotas tiradas daqui e dali e interpretadas a belo prazer do intérprete, eram textos escrito com princípio meio e fim.

Se pensam que sou militante dum puritanismo com moralismos empedernidos estão muito enganados(as). Sou pela qualidade e pelo apoio aos bons atores e não aos atores de esquina e de café de bairro que contam “anedotas porcas” para fazem rir os seus amigos lá do sítio. Não menciono aqui nomes para não me falhar algum e não pretendo ofender outros que terão com certeza qualidade e que saem do grupo a que me refiro.

O que lamento é que a juventude siga esses forjados atores/humoristas(?) enquanto atores credenciados procuram, por vezes, em desespero trabalho.

Meus meninos e meninas deixem de sustentar essa gente oportunista que se lançam pelo youtube e pensam que são os maiores do humorismo português lá por que lhes colocam likes e fazem visualizações aos milhares. Deixem de ser cromos utilizados por esses autointitulados humoristas e vão ao teatro verdadeiro.

Vejam só, até pipoqueiras nomeadamente a autodenominada “A Pipoca Mais Doce” em setembro, para aí mais ou menos, lançou-se novamente a fazer comédia Stand-up. Atritos houve na altura por causa desta treta porque foi notícia no meio que, devido ao nome que a dita pipoca resolveu dar ao nome do seu “show”   a ideia parece “não ter sido na altura bem recebida por dezenas de internautas, que se mostraram desagradados com o nome que ela escolheu para o seu espetáculo - 'Sou Menina P'ra Isto'.  A causar revolta está o facto de Ana Garcia Martins ter optado por um nome muito semelhante ao de uma recente websérie de Salvador Martinha - 'Sou Menino Para Ir'.

Enfim, é uma forma de ganhar a vida à custa da piada fácil e corriqueira que certo de tipo de público corre a pagar para que o seu(sua) ídolo viva bem. Há ainda as moderníssimas webséries, outra forma de ganhar a vida com apenas algum tempo e esforço. Há sempre quem pague para ver. Há gente para tudo!

P.S.: Não incluo nesta crítica os poucos e bons autores humoristas e intérpretes de stand-up de Portugal que felizmente também os há dos quais me escuso de dizer os nomes para não causar ciumeira aos outros. Cada um que assente a carapuça que lhe sirva.

11
Dez19

Viva o Natal com os e as influencers

Manuel_AR

Influencer_1.png

A inspiração tem andado muito fraca por aqui, razão pela qual espacei o tempo destinado a

azedar a fruta. Há algo que se passa comigo e que parece ser patológico, é a minha embirração com os(as), sobretudo “as”, “influencers”. Não tenho nada contra elas, mas conseguem irritar-me com a suas falinhas meigas e intimistas sobre o que se passa na cabeça delas e nos seus lares exemplo. De ves em quando para tornarem a coisa mais popularucha escrevem um palavrãozinho como sacana por exemplo. Balelas!

Influencer_2.png

Outro grupo com que embirro são esses palhaços ambulantes (nada tenho contra os verdadeiros palhaços) que se dizem humoristas de “stand up”, para esses, reservo para outra altura.

A aproximação do Natal faz entrar em agitação os blogs das(os) “influencers”. Estes têm vertentes correspondentes às suas atividades: há os das vendas, vendedores(as), das ideias, da sua própria imagem, das coisas fúteis, dos concelhos, da saúde, etc.

Sobretudo elas, as dos blogues, dizem que utilizam tudo o que aconselham. Pudera, a motivação dos(as) para a compra e o clique fácil está em pensar que há otários(as) que caem lá como moscas no azeite e fazer acreditar que: - Ah, se a Tininha do blogue das maçarocas usa, é porque então deve ser bom. Meus e minhas caros(as), tenho pena que acreditem que tudo o que se diz e aconselha(?) nesses lugares onde o milho doce estala seja usado lá por casa deles(as). Mais uma vez, balelas. O é preciso é que, quem lá vai bisbilhotar compre e clique no “gosto”, o resto é conversa fiada.

No caso da saúde há uma oportunidade de negócio com o olho nas mães preocupadas com as alergias dos seus filhos, homens, estes que ficam às portas da morte, salvos sejam, com a aproximação do tempo das alergias, vai daí, toca a incidir a tónica nos aparelhos de purificação de ar antialérgicos.

E influenciar para a compra é fácil, num tom mais ou menos intimista faço de conta que tenho em minha cas o mesmo problema de alergias com os rebentos e com a sua mulher ou com o seu homem, dependente do caso. Descrevem em pormenor o que se passa lá em casa com o menino, a menina, o marido, a prima, o primo, faltando apenas o cão e o gato por não serem dados a alergias observáveis.

Nem queiram saber, as alergias não são apenas na Primavera. Pois claro, até convém, pois estamos no outono e há que angariar algo e, portanto, lá vem a receita de aparelhos ditos como eficazes para as tais alergias que epidemiam as nossas casas. Mas não só, há uma preleide dessas coisas malignas como os pólenes, a relva, os ácaros, os gatos, os cães, aos pássaros, bla, bla…

Não lhes digo quais as marcas dos aparelhos sugeridos porque não ganho nada com isso e o por que preço é tal que meio ordenado mínimo não chega sequer para pagar metade do mais caro. E garanto-lhes em casa deles funciona perfeitamente e, por isso, aconselham a marca que lhes vai dar uns euritos.

Não me admira que o nosso Presidente Marcelo Rebelo de Sousa tenha há algum tempo comunicado que iria convidar para conhecer os (as) “influencers” deste país. Como se isso fosse sendo algo muito importante. Será que também ele se deixou influenciar e que, sem que se saiba, anda por aí a seguir esses(as) ditos(as) para saber o que se passa com as últimas novidades? Não sei em que é que isso ficou. Deixei de acompanhar.

Mas não fiquem por aí, se estão com problemas alimentares não hesitem, força com os suplementos alimentares. Eu, cada vez que os vejo em anúncios na televisão ficou logo em pulgas e pego no telefone que me indicam no rodapé do ecrã e ligo de imediato para comprá-los. Compro logo três ao preço de um. Eu, que tinha um olho vesgo para os suplementos alimentares caía logo em tentação.

Agora para espanto meu, num blog pessoal que presume ser mais um blog conselheiro de compras geridos por dito(a) “influencer” e outros que por aí andam e são até muito concorridos em número de acessos e em “gostos”, sim “gostos” e não likes, encontrei o meu suplemento ideal.

Pasmem-se mães ansiosas com a alimentação dos seus filhos, descobri o suplemento ideal: é o “Júnior” para crianças. Mas há para todos os gostos, para as(os) vovôs(ós) também. Não, não digo a marca porque, mesmo que o faça não cai nada para este lado, euros, claro, não é?

Vejam só esta deliciosa frase que não é minha foi “roubada” num desses blogs, por irresistível que é: “Desde as avós cansados e cheios de dores nas articulações e muitas mais coisas assim como os miúdos, para quem as vitaminas são também precisas se lhas meterem no bucho vão ver como  crescem e saem de casa mais cedo, que a vida está agreste e difícil para todos. Grande momento zen não acham?

Mas há mais, debitam então a composição do dito produto, qual farmacêutico diplomado com mestrado e tudo, e também como médico(a) de família que propôs a dita receita.

Outro momento zen do melhor: “Cá em casa temos andado a experimentar os suplementos XXX-BLABLA. Já tomei o que é indicado para o Stress, e foi assim uma pequena maravilha na altura em que andei com aquele nervosinho todo durante a tour, e, entretanto, experimentámos dar o XXX-BLABLA Júnior ao Zezinho. A coisa até passa assim meio que despercebida, porque em vez de comprimidos, este suplemento vem num ursinho para mastigarem, assim cor de laranja e fofo. Por vontade dele, comia logo uma caixa inteira, mas é capaz de não ser uma boa ideia.”

Porra, se um não lesse isto tudo até ao fim era capaz de enfiar uma caixa inteira pela boca abaixo do meu Zezinho. Não, esta frase não é roubada é minha.

Até no final da página da escrita pessoal e intimista para influenciar a compra está escrito em letras minúsculas:

“Post em parceria com XXXX-BLABLA.

XXXX-BLABLA é um suplemento alimentar. Para mais informações, consulte XXXX-BLABLA.pt.”

Pura publicidade.

A sugestão é feita fazendo crer que o autor(a) está envolvido(a) e que, na realidade ele(a) próprio(a) utiliza o produtozinho aconselhado na sua casa, e fazer parecer que está envolvido(a), que nem parece publicidade. Se querem saber de bons produtos vão a esses blogues com escrita apelativa que relatam o quotidiano de quem escreve. É como se estivesse lá em casa, do(a) autor(a) claro. São plenos e bons conselhos para tudo.

Imaginem se eu escrevesse no meu blogue:

O produto é tão bom que até o comprei para a minha casa nova que mobilei com móveis fantásticos da “Casa dos Móveis” e que foram muito em conta como podem confirmar no respetivo “site”, um conjunto de móveis para a minha nova sala de estar da nova casa apenas por 10.000 euros. Que tal amigas(os)? Foi uma delícia de aquisição e ficou tudo tão perfeito! Foi aí que percebi que, na “Casa dos Móveis” os preços não eram uma coisa assim tão diabólica e que há alguns que preenchem todas as necessidades e mais algumas.

Força amigas(os) que se deixam influenciar, vão até lá, estão à distância dum clique, mas tenham em atenção que:

Um estudo apresentado em abril deste ano no Congresso Europeu da Obesidade sugere que apenas um em cada dez “influencers” de saúde sabe realmente do que está a falar nas suas publicações relativas a perda e manutenção de peso.

Enfim, há já quem comece a duvidar da fiabilidade da publicidade que youtubers, instragammers e outros influencers fazem nas suas páginas a determinadas marcas, por mostrarem situações que, muitas vezes, não correspondem à sua realidade ou não conhecerem nem comprovarem realmente os benefícios de determinado produto.

14
Out19

Mais uma vez os influenciadores

Manuel_AR

Influenciadores.png

Depois de uns dias em Londres, felizmente por pouco não apanhámos o solavanco das manifestações que poderia azedar ainda mais a nossa fruta. E foi com uma dose de inveja que dos que ainda por lá ficaram que tivemos de regressar.

A inveja é tramada! Eu acho que tenho inveja das figuras públicas e dos(as) chamados influencers digitais, esta mania portuguesa de ir buscar palavras de fora! Compreende-se, é para se estar in. Invejo-os porque acho que se orientam e ganham fama, proveito e preparam a sua carreira à minha, nossa custa. Claro que cada um tem o direito de preparar a sua carreira profissional e deve fazê-lo, mas não à minha ou à custa de qualquer outro(a).  Há quem vá a correr a colocar “gostos” e seguir como cachorros os seus falsos ídolos. Falsos ídolos fabricados para nos fazerem crer que são os maiores.

Mas, meus amigos e amigas, isto agora é mais sofisticado porque também já temos estudos para conhecer a imagem que os portugueses têm das figuras públicas nacionais bem como a opinião sobre as suas principais características e informações sobre a sua presença digital com base numa recolha realizada por uma empresa de consultadoria nas várias redes sociais e blogs. Nada mais nada menos 57 figuras públicas e 37 digital influencers foram analisadas em 2019.

Veja-se quanto totós e otários não somos. Somos como cãezinhos que seguem farejando aquelas figurinhas e depois ficamos extasiados com o que dizem, fazem, sugerem e fotografam e vamos segui-los quais caninos dóceis e fiéis.

Vivemos num país livre em que cada um pode matar-se, ou não, como muito bem entender, seja com testosterona ou qualquer outra coisa para que outros cultivem a sua a imagem na Internet e nas redes sociais e possam vir a ser também influenciadores(as). Tem dezenas de milhar de visualizações e depois lá vem a televisão promover a sua imagem, mesmo que o publicado no Youtube seja uma falência total. Não se avalia a qualidade, mas sim o número de visualizações e de “gostos”. Há-os de todos e para todos os gostos, moda, maquiagem, cabelos, perfumes, sorrisos, sapatos, artistas, modelos, saúde, eu sei lá.

E a parafernália de bloguistas que são pipocas, frutas, loucas, da mãe, dos filhos, e muitos outros.

Porque afinal é de influenciar audiências que trata o negócio. Para tal é necessária alguma expertise, sobretudo skills digitais.

Cometa-se às vezes até em programas televisivos. «Ah! Que bonita que ela está naquela foto do Instagram não achas?»  «Se acho! Mas para além disso gosto muito dela, dá uns conselhos super espetaculares. E aquele do ginásio? Que barra! Sabes, sou seu(sua) seguidor(a). Põe lá coisas tão giras!»

Há já um índice empatia/identificação com figuras públicas e de digital influencers baseados nos otários seguidores que somos nós. Nós não! Vocês, porque eu não caio nessas armadilhas de os ajudar a pagar ou complementar o salário com os meus clicks na publicidade encaixados nos seus sites. Uma coisa é gostar de ler o que escrevem, outra é cada um servir de promotor de figuras que nem sabem quem nós somos, mesmo que lá conste o nosso ícone fotográfico e o nome ou o “nickname”. O que lhes interessa é apenas a replicação da imagem e da “graça” da sua pessoa, a deles(as) claro.  

Através das redes sociais cada um pode ser conhecido e, quanto mais aberrante ou extravagante tanto melhor mais saída tem.

Qualquer pateta que apareça num qualquer canal de televisão logo há uma corrida às redes sociais para se manifestarem.

Antigamente qualquer bom artista em início de carreira tinha de ter um agente muito bom para que se tornasse mais ou menos conhecido, agora não é preciso, basta dizer umas larachas e colocar umas fotografias atrevidas para ter uma caterva de fãs logo seguida e milhares de “gostos”.

Mas as(os), especialmente as, blogueres influenciadoras são também captadoras. Funcionam como teias que prendem os insetos que lá caiem. Normalmente dão conselhos sobre qualquer coisa e falam de si, da sua pessoa, da sua casa, do seu companheiro(a) sobre o que sabem que elas(es) andam à procura. Pode ser qualquer coisa. Perder peso, tirar manchas da pele, maquiagem, tirar rugas ofertas de aniversário para a querida(o), decoração de casa, eu sei lá, um manancial de tretas que as(os) influencers colocam nos seus blogs e respondem a perguntas colocadas na área de comentários e, logo ali ao lado, as sugestões a propósito. E, lá vou eu, e… Click.

Muita delas escrevem tratados sobre os seus filhinhos, o que fazem, o que fizeram, o que deixaram de fazer, que são sempre os máximos em tudo, até nas reproduções de dinossauros que têm em casa e em que são autênticos peritos. Aproveitam então para falar de brinquedos que poderão ser ótimas opções para compras de natal, claro, porque convém, para puxar a tal oportuna publicidadezinha.  E lá está, a encomenda online encomenda poderá ser feita através do site X. Quanta inveja não suscitarão às outras mãezinhas que, por falta de posses, não podem ter em casa a coleção daqueles ditos bichos há muito extintos.

 A seguir lá vêm as roupinhas e os sapatinhos da moda que também podem comprar. É tudo publicidade disfarçada no meio de textos pretensiosamente sérios com uma narrativa popularucha e familiar.

São os(as) oportunistics, já agora aproveito também a boleia do inglês. É assim, a vida dos(a) influencers! Viver à custa dos influenciados.

30
Set19

Cristina Ferreira: Endeusamento ou divinização?

Manuel_AR

Cristina_Sic.png

Montagem a partir da imagem de Cristina Ferreira da SIC/Caras  

Presunção e água benta! Cristina Ferreira acusada de fazer discurso de agradecimento "pouco humilde" refere a revista Flash de hoje. Cristina, “a rainha da humildade", "Presunção e água benta...", "Que convencida e arrogante", foram alguns dos comentários ao discurso da apresentadora.

É, de facto, impressionante como uma apresentadora de programas de entretenimento de televisão se deifica e quase se autoelogia. É justo o prémio de televisão que lhe foi atribuído porque foi feito por um júri credenciado. Mais, dar ao povo não o que ele quer mas o que lhe é devido!??

O mais grave é simbólica auto deificação também revelada pelo traje de deusa que vestia. Endeusamento e quase divindade.  quando disse ter o apoio também sagrado ao referir-se ao estampado da Virgem Maria.

Lamentável o auto-endeusamento de Cristina Ferreira. São evidentes o oportunismo e aproveitamento das crenças de muitos. Associação, quiçá, a milagre atribuído a Virgem Maria ao seu sucesso que se entre leem nas suas frases finais e pela imagem que trazia estampada na espécie de manto caído na parte traseira do seu vestido de senhora etérea, apesar de tudo, muito inconveniente, (chocar para ser original e para dar nas vistas tem limites). 

Programas da manhã foi naquilo em que Cristina apostou. E bem! Pois deve ser a sua audiência de eleição: idosos(as), reformados(as), doentes e convalescentes nos hospitais e no domicílio, desempregados(as) apesar de serem cada vez menos, lares da terceira idade, trabalhadores de baixa e outros similares. A maioria está nos seus empregos a fazer pela vida.

Feira de vaidades e de promoção da carreira da Cristina, que, apesar de tudo, nada tem a ver com o seu real talento, mas alguma humildade, às vezes é também o segredo deste tipo de negócio.

18
Jul19

Gente para tudo

Manuel_AR

Otários_2.png

Há gente para tudo. Há gente para ver todo o tipo de espetáculos, de qualidade duvidosa que enchem salas e se voluntaria para ser otária.

Da idiotice à desmesurada patetice dos “espetaculares” espetáculos ao vivo, sim, eu sei meus(minhas) caros(as) eruditos(as), é uma redundância, promovidos via essa “inaudita” comunicação social televisiva.

Enchem-se salas e assiste-se nas televisões a programas de pretensas audiências que implodem com programas medíocres. Um dos que é exibido na RTP1 que dá pelo nome de Prova Oral que, se ainda se tolera na Antena 3, é execrável para televisão. Por via disso torna-se também execrável esse senhor que se acha humorista e que dá pelo nome de Alvim que, por acaso, até tem graça em alguns programas.

Tudo serve para fazer graça e se tornar engraçadinho. Lutam pela sobrevivência profissional através da procura do que seja viral nas redes sociais e no Youtube.

Vão procurar nas redes sociais e no Youtube espertinhos produtores de “virais” para, depois, os recuperarem para programas televisivos. Forma de tornarem a estupidez conhecida por aqueles que se borrifam para as redes sociais. Fazem entrevistas a figuras da nossa oca praça, retiradas daqui e dali do Facebook e Youtubes, as quais ficam agradecidas pela publicidade gratuita a que se acham com direito.   

O programa da rádio Antena 3 que saltou para a TV, RTP1, é um fracasso do canal. Prova Oral TV estreou-se em fevereiro deste ano tendo registado uns miseráveis 1,2% de rating e 5,0% de share. Ontem Fernando Alvim procurou altas competências intelectuais com notas de dezanove em cursos, diziam, uma até faz Stand up Comedy. Esta modalidade, que se introduziu desde há algum tempo no burgo dos tugas, por uns jovens engraçadinhos que ainda andam por aí que se iniciaram na escola a fazer patetices para fazer rir os colegas da turma.

Mas não nos aflijamos porque num dos canais da BBC, canal público do Reino Unido, também transmitiu um espetáculo do género ainda mais ordinário e de qualidade duvidosa, com sala cheia, onde todos se riam sem saberem que eram eles, os espectadores, que estavam a ser gozados pelo “ator” que fazia Stand up.  

Portanto, caros(as) leitores(as) não se aflijam, ainda não descemos ao inferno da baixa qualidade transportados pelos que acham que fazem humor.

Só falta que mandem para o c. e chamem f.d.p. aos espetadores que lhes pagam o salário e todos se riam e batam palmas.

02
Jul19

Humoristas e cómicos da treta andam por aí

Manuel_AR

Humoristas.png

Não tenho jeito nenhum para fazer humor. Digo como toda a gente umas piaditas e não mais do que isso, mas há por aí muitos que se intitulam profissionais do humor e da comédia e dizem ser atores de stand up.

Humoristas e cómicos são vários. Fazem espetáculos aqui e a ali. Enchem salas, dizem. Os seus fãs são um público, normalmente jovem, que assiste e ri-se por tudo e por nada. No palco encontra-se um contador de anedotas, em cada frase que pronuncia constam dois ou três palavrões, senão mais, da coleção do calão lexical português. Aplausos, gargalhadas quase mentecaptas eclodem das salas. Quando tal não acontece esses ditos humoristas e cómicos queixam-se do público e da incompreensão que sentem para com o seu dito humor.

Se eu fosse especialista em classificação arranjaria uma taxinomia para humoristas e cómicos da parvoíce.

Fazer humor é das artes mais difíceis de concretizar. É um papel ingrato no sentido em que não compensa o trabalho que alguns verdadeiros humoristas lhe consagram. Fazer rir é para muito poucos. Quando não o conseguem sentem-se injustiçados, e insistem em fazê-lo apenas para o seu micro público, com o seu fácil e suposto humor anedótico que utiliza a liberdade de expressão que ultrapassa os limites violentando as fronteiras do razoável. Sentem-se com o direito de reivindicar o direito de liberdade de expressão, o mesmo direito que nos assiste a nós, os outros, para os crucificarmos depois em praça pública. A mesma praça pública, aliás, e com a mesma violência.

Um caso paradigmático é o de Hermano José, que foi, e ainda é, um dos melhores humoristas, com o falhanço não previsto quando esteve a trabalhar na SIC e que, para captar audiência passou a descambar para o mau gosto para aumentar, sem sucesso, as audiências.

Mas há outros, vários, que surgiram na esteira dos Gatos Fedorentos e que passaram a estar na moda, tentando repercutir por imitação o seu humor, mas sem sucesso.

Não podemos, contudo, generalizar porque há humoristas com qualidade em Portugal de que Ricardo Araújo Pereira é paradigmático.

A cada duas palavras um palavrão bla…bla…, f., bla… bla…, c., bla…bla…, p., bla…bla…bla… f.d.p., etc. e por aí fora. A assistência ri-se, bate palmas, vibra, não sei se das anedotas, dos palavrões ou se da figura do humorista. Tal é o caso do asneirento tal Fernando Rocha esse senhor que se intitula humorista e cómico do qual uma televisão transmitiu no passado mês de maio, já a altas horas, um espetáculo. 

Se baixassem as calças e mostrassem o rabo para o público então seria a desbunda total da risota e o ponto alto da comédia. 

Há também o humor do mau gosto que fazem piadas sobre acidente reais como o acidente autocarro na Madeira sem o mínimo respeito pela tristeza alheia.

Humoristas como estes reduzem-se a fazer graça e gracinhas com vídeos que publicam no Youtube e conseguem milhares de visualizações a maior parte são adolescentes na fase em que apreciam graçolas sem tino. Outros vão lá por curiosidade, para ver como é, e abandonam, se forem milhares de curiosos não interessa, o certo é que contam. Há também aqueles que se alimentam do falso humor, que gastam o seu dinheiro a comprar bilhetes para espetáculos acabando por encher as salas. Estes estão a contribuir para aumentar o ego de muitos falhados humoristas cómicos.

Não, não sou puritano nem moralistas, eu próprio digo f. e p. quando é preciso. Mas, por favor vejamos os contextos.   

Humoristas genuínos e profissionais precisam-se.

 

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub